ARQUIVO INSTITUCIONAL

Documentação textual, impressos e fotografias constituem os cerca de 300 metros lineares de itens sob a responsabilidade do Arquivo Institucional.

Ocupando uma área física de 200 metros quadrados, o Arquivo não apenas guarda a memória do Museu Histórico Nacional desde a sua criação, mas tem a sua documentação reconhecida como fonte primária para pesquisadores de diferentes campos do conhecimento, possibilitando-lhes obter informações sobre políticas culturais em diferentes períodos, sobre a história administrativa de instituições culturais no país e sobre questões relativas à urbanizaçãoda região do entorno, o centro histórico da cidade do Rio de Janeiro.

São cerca de 5.000 fotografias, 2.000 impressos e oito décadas de relatórios institucionais, além de importantes documentos, entre os quais diversos assinados por Presidentes da República como Epitácio Pessoa, Getúlio Vargas e Juscelino Kubstchek de Oliveira e Ministros da Cultura, como Gustavo Capanema.

Destacam-se, ainda, o livro de assentamento nomeando funcionários como Gustavo Barroso, Joaquim Menezes de Oliveira e Pedro Calmon e os registros das diversas doações desde 1922, como a primeira peça doada por particulares, no caso o Sr. Gustavo Pena: um fardão de Senador do Segundo Reinado que pertenceu ao Barão de Pontal, Manuel Inácio de Mello e Souza (1771-1859).

Graças ao apoio da Vitae Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social e ao Fundo Nacional da Cultura do Ministério da Cultura, o Arquivo Institucional teve seu espaço físico totalmente recuperado em 2003, além de ter ganho novos equipamentos e estar informatizando todas as informações referentes à sua preciosa documentação.

O Arquivo Institucional pode ser consultado mediante agendamento através do telefone 21-3299-0365.



Carta de Gustavo Barroso pedindo isenção ao Tribunal de Segurança Nacional dos acontecimentos referentes ao processo de 11 de maio de 1938.



Documento com a assinatura de Gustavo Capanema.



Ofício assinado por Getúlio Vargas e Gustavo Capanema autorizando a transferência de Gustavo Barroso do Museu Imperial para o Museu Histórico Nacional.



Ata de criação do Museu Histórico Nacional
Assinada em 11 de outubro de 1922
Constam no documento as assinaturas do então presidente Epitácio Pessoa, do prefeito do Rio de Janeiro Carlos Sampaio, do Capitão de Mar e Guerra Rafael Brusque, do Coronel João Muidello e do Major Cunha Pitta.